Entre as melhores polentas da Serra Gaúcha
17/10/2017

 

Prato é servido no restaurante Andrea, de Caxias do Sul.

Pesquisa foi feita entre os leitores da Bon Vivant

IMG_0188

Humberto e Nivaldo Tolotti estão à frente do Andrea

 

 

A polenta era um dos pratos favoritos do italiano Leonardo Da Vinci (1452-1519). Tal predileção foi evidenciada em suas anotações culinárias, que integram o famoso Codex Romanoff, trazidas a público em 1980. Entre as receitas favoritas do famoso pintor estavam: polenta com arenque e rodelas de cebola crua, polenta com sardinha e ovos, polenta com ameixas e canela, polenta com anchovas e polenta com queijo e pés de porco. Mas este clássico regional, feito à base de farinha de milho e água, ganhou o mundo por meio dos italianos que emigraram de sua terra natal para diversas partes do mundo e conquistou outros paladares além do de Da Vinci.

 

No Brasil a polenta tem espaço garantido e de destaque em menus de restaurantes de culinária italiana, especialmente na Serra Gaúcha, região colonizada por italianos, vindos do norte da Itália. A empresária Maria Beatriz Dal Pont, que estuda a história e a origem dos alimentos e atua no ramo da gastronomia desde 1998, explica que na região a polenta é mais do que um hábito alimentar, é uma tradição local. “É integrante fundamental do galeto, sequência de pratos que traduz a identidade gastronômica da Serra Gaúcha, a partir de Caxias do Sul, onde foi inventado. Está presente no cardápio da maioria dos restaurantes, seja na forma frita, assada, servida como aperitivo, ou mais recentemente, como prato quente em coquetéis e jantares, onde aparece com molhos e guarnições mais sofisticadas”, evidencia.

 

Uma das polentas mais apreciadas da Serra Gaúcha, conforme pesquisa feita pela Bon Vivant entre os seguidores da sua fanpage (@bonvivant.revista) é a servida no restaurante Andrea (Rua Marcos Moreschi, 85 – Pio X), de Caxias do Sul. O prato é um clássico do cardápio e divide a preferência dos clientes com os diversos tipos de filés, massas e outras delícias. Servida desde 1971, data de fundação da casa, tem duas versões, ou melhor, dois tipos de molhos, já que a polenta é sempre molinha: molho de codorna e molho de moela.

 

Na opinião do fundador, Nivaldo Tolotti, 81 anos, que hoje divide o comando da casa com o filho, Humberto Tolotti, o Beto, o sucesso da polenta do Andrea está no tempero do molho, que há 46 anos segue a mesma linha. “Quem leva a fama é o meu filho e eu, mas as responsáveis por esse sabor são as cozinheiras e a minha esposa, Aurea Tolotti, que criou o molho e ensinou a técnica a elas”, conta seu Nivaldo, não revelando o segredo do tempero.

 

O cardápio do Andrea é variado. Conta hoje com 30 tipos de filés, baurú, codorna, carnes, tortéi, macarrão, spaguetti (todas as massas são feitas no próprio local) e o radicci com bacon. O espaço acomoda até 44 pessoas sentadas. E quem for ao restaurante, a dica é chegar cedo, pois não são feitas reservas e a fila de espera é sempre grande, em qualquer dia da semana, o que justifica a fama do local.

 

O horário de atendimento é de segunda a sexta-feira à noite, das 18h30min às 22h45min, e sábados das 11h às 14h. A casa não atende nos sábados à noite, domingos e feriados. Conforme o lembrete escrito no cardápio, nestes dias, se faz uma “pausa para frequentar o restaurante dos outros”. O Andrea dispõe, ainda, de um espaço reservado, com capacidade para até 22 pessoas, para a realização de eventos.

 

E, claro, a reportagem da revista Bon Vivant não poderia sair do Andrea sem a receita da famosa polenta mole. Embora não tenha revelado todos os segredos do tempero que aprendeu com a dona Aurea, a cozinheira Alice Rosane Mezomo, que está na casa há seis anos, nos passou alguns ingredientes. Confira e ‘mãos à massa, digo, à polenta’.

 

IMG_0169

 

Polenta mole ao molho de moela

Para a polenta

Ingredientes

5 xícaras (chá) de água (1 L)

1 xícara (chá) de farinha de milho média pré-cozida

1 e meia colher (chá) de sal

 

Modo de preparo

Em uma panela média coloque a água e o sal. Deixe esquentar. Quando a água estiver quente (não fervendo), acrescente aos poucos a farinha, sempre mexendo para não empelotar. Faça isso por, aproximadamente, cinco minutos. Se perceber que ao longo do processo a farinha ficou mais dura, acrescente água quente e mexa até ficar na consistência desejada (mole). Deixe cozinhar em fogo baixo por cerca de cinco minutos, cuidando para não queimar no fundo. Sirva em um refratário.

 

Para o molho

Ingredientes

500g de moela

1 cebola

5 tomates

Tempero verde a gosto

Massa de tomate a gosto

Sal a gosto

 

Modo de preparo

Pique a moela e coloque em uma panela com azeite para fritar. Cuidado para não fritar muito, pois a moela pode ficar com uma textura muito dura. Adicione a cebola picada, cuidando para não queimar. Após adicione os temperos. Por último acrescente o tomate triturado no liquidificador e a massa de tomate. Deixe apurar e engrossar. Sirva sobre a polenta. Queijo é opcional.

 

Veja também:

Vinho, gastronomia e bom humor
Peixe e frutos do mar
Navegar é apetitoso

Deixe um comentário