A uva-passa e seus benefícios à saúde
09/01/2017

carol-static-wickbold-com-br

Caroline Dani

Durante o 39º Congresso Mundial da Vinha e do Vinho, ocorrido recentemente em Bento Gonçalves (RS), foi realizada uma sessão especial da Comissão IV, comissão que trata de segurança e saúde. Nessa sessão abordou-se diferentes temas relevantes à saúde humana, dentre eles, a criação e aplicação de um guia para boas práticas de higiene para a indústria do vinho, novos métodos para análise de agentes alergênicos utilizados no tratamento do vinho e a microbiologia do vinho.
Um grupo de pesquisadores italianos, turcos e portugueses, representados por duas pesquisadoras Patrizian Restani e Chiara Di Lorenzo, trouxeram um tema que ainda não havia abordado nesta coluna, o efeito benéfico da uva passa. Com os títulos de suas apresentações, Perfil fenólico e atividade antioxidante de diferentes amostras de uvas-passas (Vitis vinifera) e Uvas-passas na saúde humana: uma revisão, as pesquisadoras fizeram uma abordagem muito interessante, apresentanto diferenças de composição fenólica entre uvas-passas da Itália, Turquia e Portugal, demonstrando, inclusive, diferenças na presença de uvas-passas com sementes e sem sementes. Nesse estudo, publicado neste ano no periódico International Journal of Molecular Science, o grupo observou que o extrato da uva-passa tem importante efeito anti-inflamatório em células do epitélio gástrico, podendo assim conferir benefícios para doenças inflamatórias gástricas. O grupo observou que os extratos com presença de semente apresentavam maior atividade anti-inflamatória, porque também foram os que apresentaram os maiores níveis de polifenóis, onde as uvas-passas sem sementes apresentaram aproximadamente seis miligramas equivalentes de GA/g de uva-passa, versus aproximadamente 148 miligramas equivalentes de GA/g de uva-passa para o exemplar com sementes.

Frente a essa importante explanação, pensei em escrever um pouco sobre o que a literatura científica já traz sobre os benefícios da uva-passa, que ainda traz algumas dúvidas quanto ao seu consumo. Falar de uva-passa também parece bem pertinente, pois estamos nos aproximando das festas de final de ano, momentos que consumimos mais esse produto, seja em panetones, saladas, arroz à grega ou até mesmo como pequenos snacks.

De acordo com uma revisão da literatura publicada por dois pesquisadores, o americano Gary Williamson, e a inglesa Arianna Carughi, o consumo de uvas e uvas-passas iniciou-se aproximadamente 35 mil anos antes de Cristo. Acredita-se que as uvas teriam sido secas e transportadas no período Neolítico, onde se têm evidências de que a uva-passa era utilizada como alimento e decoração. Dentre as variedades mais utilizadas atualmente para a produção de uva-passa no mundo destaca-se a Thompson Seedles (95%), seguida pela Fiesta (3%) e Zante Currante (1,5%). São conhecidas mundialmentes como uva seca, raisins, sultanas, dentre outros. Os Estados Unidos lideram a produção mundial e a Califórnia é responsável por aproximadamente 90% da produção, utilizando em torno de trêsmilhões de toneladas de uva para produzir aproximadamente 400 mil toneladas de uvas-passas por ano. Destacam-se mundialmente, também, na produção de uva-passas a Turquia, China, Iran, Chile, África do Sul, Grécia, Austrália e Ubequistão.

Rica em polifenóis
De acordo com essa revisão, a uva-passa é um produto rico em polifenóis, destacando-se principalmente a classe do flavonols, dentre eles a quercetina e kaempferol, e a classe dos ácidos fenólicos, destacando-se o ácido cafetárico e o ácido coutárico. Eles afirmam que o conteúdo de protocatequina e ácidos cinâmicos oxidados estão presentes em maiores níveis do que na uva. Importante ressaltar que quando comparado nutrientes essenciais entre uvas e uvas-passsas, a principal diferença está na quantidade de água, não alterando quantidade de carboidratos, açúcares, ferro, magnésio e potássio, por exemplo.

Quanto aos benefícios à saúde identificados nesta revisão da literatura publicada no ano de 2010, no periódico Nutrition Research, em estudos com seres humanos o consumo da uva-passa pode reduir a resposta postprandial insulínica, modular a absorção de açúcar (indice glicêmico), afetar certos biomarcadores de estresse e promover a saciedade via leptina e grelina. Neste contexto, pesquisadores norte-americanos fizeram uma avalição em aproximadamente 15 anos nos EUA, e identificaram que o consumo de frutas secas reduz a prevalência de obesidade e sobrepeso e obesidade abdominal, segundo este artigo as frutas secas melhoram a qualidade da dieta e reduzem a obesidade em adultos nos EUA. Ainda, outro estudo com atletas demonstrou que consumo de 170 gramas de uvas-passas reduziu dano ao DNA, melhorou a resposta insulínica e glicêmica. Em outro estudo com o consumo de 160 gramas de uvas-passas observou-se uma redução de LDL colesterol, colesterol total e redução da pressão arterial.

Rica em fibras
Ainda com relação à composição da uva-passa, pesquisadores norte-americanos afirmam que esse alimento é rico em fibras, oferendo 35% de fibra solúvel e 65% de fibra insolúvel, sendo ricas em frutooligossacarídeos (FOS), estes são açúcares não convencionais, não metabolizados pelo organismo humano e não calóricos, são considerados prébioticos, promovendo o crescimento de próbióticos. FOS são reconhecidos na literatura por promoverem uma série de benefícios à saúde humana, como redução do colesterol e prevenção de alguns tipos de câncer, como o de intestino. Este mesmo estudo confirma o citado acima, onde a uva-passa tem baixo a moderado índice glicêmico e baixo índice insulinêmico, apresentando em estudos de longo prazo que a ingesta diária de uva passa está associada a valores reduzidos de glicose no sangue quando comparado à ingesta de outros alimentos com o mesmo valor calórico, apresentando ainda redução na pressão arterial e auxiliando também na redução dos parâmetros bioquímicos (colesterol total, colesterol-LDL e triglicerídeos).

Segundo pesquisa publicada por um grupo norte-americano no ano de 2013, no passado existia um pensamento de que o consumo de uva-passa poderia promover cáries, pelo fato delas possuírem alto índice de açúcar e serem pegajosas. Entretanto pesquisas recentes vêm alterando essa crença. Segundo o artigo, para que a cárie apareça são necessárias três condições: baixo pH oral, aderência do alimento ao dente e o aparecimento de biofilmes (presença de bactérias). Segundo este artigo, que promove uma revisão da literatura, as evidências científicas sugerem que a uva-passa não possui efeito cariogênico, uma vez que contém propriedades antibacterianas, reduzindo a ação das bactérias. Ainda, por mais que elas sejam doces e pegajosas, não aderem o suficiente para promoverem cáries, bem como podem auxiliar a limpar outros açúcares cariogênicos da superfície dos dentes. Os autores afirmam que mais estudos são necessários para contribuir com estes dados.

Uma fruta muito especial
Confirmando o que eu sempre falo, a uva é uma fruta muito especial, pois nos possibilita derivados para qualquer momento de nossa vida. Ou seja, além de todos os derivados que já tratamos aqui nessa coluna, também podemos falar da uva-passa. Produto que consumimos em especial nesse momento do ano. Quantos de nós já nos perguntamos se elas fariam tão bem quanto a uva innatura? Ou ainda, se elas não são muito calóricas? Podemos concluir dessa coluna é que o consumo da uva-passa também faz muito bem à saúde. É uma importante fonte de polifenóis e principalmente de fibras, promovendo muitos benefícios. Pode auxiliar no controle da obesidade, reduzindo níveis de colesterol e, principalmente, oferecendo fibras para o nosso intestino, além de reduzir inflamação em células gástricas. E por mais que elas possam parecer muito doces, elas não elevam a glicose no sangue, ou seja, não aumentam o risco para Diabetes, pelo contrário, podem auxiliar no controle da doença. Também podemos concluir que por mais que pareçam pegajosas não aumentam o risco para o aparecimento de cáries. Todos esses benefícios também foram apresentados pelo pesquisador Gildo de Almeida da Embrapa no Globo Repórter que foi ao ar em maio de 2015.
Ou seja, os consumidores podem e devem consumir uva-passa, assim como com o consumo de outros derivados da uva poderão usufruir de todos os benefícios que essa maravilhosa fruta vem promovendo há milhares de anos. Entretanto, lembre-se que, assim como tudo na vida, consuma com moderação e tenha festas de final de ano com muita alegria, diversão e saúde.

Veja também:

Grand Cherokee com motor turbodiesel
As três vidas de um nobre inglês
O prato da moda, o Ceviche

Deixe um comentário